Armindo Abreu acompanhou o Primeiro Ministro numa visita às obras do novo hospital

Armindo Abreu afirmou, a 5 de Março, que a economia portuguesa não avançará se não houver investimento público. O Presidente da Câmara de Amarante falava durante uma cerimónia no novo hospital de Amarante, onde o Primeiro-Ministro, José Sócrates, e a Ministra da Saúde, Ana Jorge, se deslocaram para tomar contacto com as obras daquele equipamento, que está a ser construído na freguesia de Telões, à margem da variante do Tâmega.

Na ocasião, Armindo Abreu disse, ainda, da sua "alegria por ver a obra a ficar concluída" e recordou que "foi com convicção que lutámos por este novo hospital, em cuja construção nos empenhámos com afinco".

"A Câmara de Amarante, recordou Armindo Abreu, está a cumprir a sua parte neste processo e, tendo adquirido o terreno para a implantação do hospital, adjudicou já, também, a empreitada para a construção dos acessos". Dirigindo-se ao Primeiro-Ministro, o Presidente da Câmara de Amarante afirmou-se em sintonia com as opções do Governo para o Serviço Nacional de Saúde, dizendo que o SNS é um dos pilares fundamentais do Estado Social.

O Primeiro-Ministro, José Sócrates, recordou a sua estada em Amarante, em 17 de Agosto de 2009, para o lançamento da primeira pedra do Hospital de Proximidade de Amarante, e disse que "é com unidades como esta que será possível construir um Serviço Nacional de Saúde mais eficiente, com melhores serviços e gastando bem o dinheiro dos contribuintes".

"O Serviço Nacional de Saúde, acrescentou, tem que ser um serviço de referência, que disponha do melhor que estiver disponível, seja na área da ciência ou da tecnologia, oferecendo iguais condições de acesso à saúde para todos os portugueses".

Em fase de conclusão, o novo Hospital de Amarante representa a concretização de um novo modelo hospitalar, centrado no doente: o hospital de proximidade. Além dos concelhos de Amarante, Baião, Felgueiras (Lixa) e Marco de Canaveses, vai também servir as populações de Resende e Celorico de Basto, num total de 180 mil habitantes.

Com um investimento total que ronda os 30 milhões de euros, o Hospital de Amarante é financiado em 52 por cento por fundos comunitários, no âmbito do QREN, constituindo, com o Hospital Padre Américo, o Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa.

Publicidade