GNR de Vila Meã localiza e apreende grande quantidade de cannabis

 

Ao que o “Notícias de Figueiró” conseguiu apurar, com base em informação que teria sido proferida pelo próprio suspeito plantador, a “erva” era muito diversificada, contando mais de 20 espécies que, analisadas pelo Laboratório da Polícia Científica, se revelaram de alta qualidade.

 

 

Uma organização pormenorizada

 

 

O cultivo estendia-se por duas estufas e mais cerca de 5.000 metros a descoberto que, presumivelmente, eram trabalhados apenas pelo arrendatário da quinta, embora corram boatos de que, em tempo, teria tido outros colaboradores que se afastaram, ou foram afastados.

É suposto tratar-se da acção de alguém com conhecimentos especializados no cultivo daquela planta, dado que toda a área afecta à plantação estava devidamente equipada ao pormenor, com controladores de aquecimento, temperatura e correntes de ar e, ainda, com um sistema funcional de rega automática.

A escolha da localização da área ocupada pela actividade também revela profissionalismo. De facto, a plantação estava localizada em sítio bem disfarçado, bastando dizer-se que não é visível de qualquer ponto da freguesia, mas apenas a quem se dirija directamente ao local.

 

 

O que foi apreendido

 

 

A acção da GNR do posto de Vila Meã terá sido despoletada por uma denúncia anónima, que forneceu os elementos indispensáveis à identificação do local onde a cannabis estaria a ser cultivada.

Em face de tal, foi feito um reconhecimento da área circundante, iniciado no passado dia 8, durante o qual foi confirmada a suspeita e decidida a acção conducente ao desmantelamento da organização ilegal do cultivo daquela droga.

A operação prossegui no dia seguinte com a detenção do suspeito e o arranque e remoção de 320 pés daquela planta, que pesaram cerca de 315 kilos e apreendidos cerca de 2.400 euros - provenientes de uma colheita anterior - duas balanças, uma analógica e outra digital, assim como alguns utensílios usados no tráfico de drogas e algumas embalagens já prontas para venda.

O suspeito não ofereceu qualquer resistência, facilitando os trabalhos e fornecendo todas as informações que lhe foram solicitadas.

Para garantir a eficiência da operação, nela tomaram parte 12 militares da GNR, quase todos em serviço extraordinário, que deram o trabalho concluído às 19 horas do dia 10, após deixarem o suspeitam ao cuidado do tribunal competente, que lhe decretou prisão preventiva.

Trata-se da maior quantidade apreendida, de uma só vez, na região norte do país. É desta planta que se extrai o haxixe e a maconha, daí a proibição do seu cultivo e comercialização.

 

Fonte: NF

Publicidade