Entrevista ao presidente da Junta de Vila Meã, Sr. Lino Macedo

 

1 - O que é para si ser Presidente da Junta? Que responsabilidades destaca mais?

R: Ser Presidente de Junta representa, acima de tudo, a responsabilidade acrescida de ser o primeiro entre iguais, ou seja, ser a voz daqueles que representamos, sem nunca deixarmos de ser um deles. A figura do presidente da junta é muitas vezes o único contacto que as pessoas têm com o Estado em sentido lato.

É ao nível das Juntas de Freguesia que o povo melhor escrutina o exercício dos mandatos autárquicos. A qualidade dos investimentos, a sua pertinência e a sua relevância têm impacto direto na comunidade, e a prestação de contas está sempre presente. É a democracia a funcionar na sua plenitude, pelo que a responsabilidade é acrescida.

Esta proximidade, aliada à capacidade de podermos fazer coisas, torna o exercício desta função muito aliciante e gratificante.



2 - Quais são as maiores necessidades da freguesia na actualidade?

R: A este nível, convém distinguir os tipos de necessidades e os agentes responsáveis. Em primeiro lugar, todas as politicas e todos os investimentos devem ter o foco sempre centrado na melhoria da qualidade de vidas das pessoas. Posto isto, e porque a freguesia são essencialmente as pessoas, a maior necessidade que constatamos é a falta de emprego e a necessidade urgente de intervenção social aos mais diversos níveis: habitação, alimentação, educação, etc. Numa pirâmide de necessidades, estas estão, concerteza, na base.

Ao nível dos investimentos onde as autarquias, nomeadamente a Câmara e a Junta, podem intervir directamente, destaco o Centro Escolar, visto que as atuais escolas de Ataíde, Real e Oliveira já não correspondem às exigências educacionais dos dias de hoje. Queremos que as nossas crianças tenham acesso a equipamentos educativos ao nível daqueles que já existem no concelho de Amarante, com biblioteca, refeitório, recintos desportivos, salas de aula por anos de escolaridade, espaços polivalentes, etc.

Destaco a necessidade de construção de um recinto para a feira de Vila Meã.

Destaco ainda a necessidade de uma ligação melhorada entre o Lugar do Arrabalde em Oliveira ao Largo da Feira em Ataíde e a ligação da avenida dos bombeiros à auto estrada.

Identifico também como necessidades da freguesia a construção de um pavilhão desportivo coberto, e a pavimentação e construção de passeios de várias ruas, como por exemplo a Rua da Ramalhada e a Rua Nova de Balanceiros.

Gostaria ainda de referir uma preocupação permanente desta junta, que é o facto do cemitério de Real estar com uma taxa de ocupação muito elevada, pelo que a construção de um novo cemitério estará na agenda deste executivo nos próximos tempos.

Por último, destaco o facto da área da freguesia ser muito extensa e dispersa, pelo que a limpeza das ruas e bermas é uma preocupação constante. A este nível, temos já várias equipas a trabalhar no terreno e adquirimos recentemente uma viatura para ajudar na limpeza do entulho que se vai acumulando um pouco por toda a parte.

 

 

3 - É natural de Vila Meã! Como tem visto o desenvolvimento da localidade nos últimos anos?

Tem havido um desenvolvimento sustentado, principalmente os últimos 20 anos,Vila Meã transfigurou-se e está dotada de equipamentos que muitos pensariam nunca ser possíveis.

Muito ainda está por fazer, é certo, mas temos boas acessibilidades, equipamentos desportivos ao nível do que de melhor se faz no país, um bom equipamento de saúde, uma biblioteca adequada à nossa realidade, serviços municipais descentralizados, etc.

Contudo, o desenvolvimento de uma terra revê-se essencialmente na dinâmica do sector privado e associativo, são eles os principais motores de crescimento de criação de riqueza. Em Vila Meã, essa realidade é uma evidência. Verifica-se uma actividade empresarial que nos dignifica, não obstante da crise que nos assola, uma associação empresarial dinâmica e interventiva, diversas associações culturais, desportivas, humanitárias, de juventude, etc., que reflectem claramente um fervilhar social e económico. É a dinâmica social o principal indicador de desenvolvimento de Vila Meã e ainda bem que assim é.

 

 

4 - O que pretende fazer para dinamizar mais a freguesia?

R: Como sabe, o pacote financeiro e as atribuições e competências das Juntas de Freguesia são muito limitadas. Contudo, é nosso propósito cumprir o programa eleitoral apresentado em Setembro passado.

Além de pugnarmos para que os investimentos elencados na pergunta nº 2 sejam uma realidade, em colaboração com a Câmara Municipal, sem a qual será impossível ver realizadas aquelas infra-estruturas, pretendemos dinamizar/promover uma série de actividades culturais, musicais, desportivas e sociais, envolvendo os agentes e associações locais.

É nosso propósito que o orçamento de 2015 seja o primeiro orçamento participativo para políticas culturais e de juventude. Pretende-se que sejam os jovens a escolher o que querem e que se envolvam directamente na dinamização dos eventos.

Pretendemos também implementar, já este ano, o programa de teleassistência a pessoas idosas e isoladas e alargar as colónias de férias, nas interrupções escolares, em todo o território.

Obviamente, que sem a participação das pessoas e das associações, será muito difícil desenvolver acções com impacto na comunidade, pelo que contamos com a participação delas nas nossas actividades, como elas também poderão contar sempre connosco nas suas. Esta relação de parceria deverá estar sempre presente.

 

 

5 - Hoje mais que nunca um grande número de vilameanenses tem por hábito, praticar exercício ao ar livre como: andar, correr  etc. Tendo em conta que a nossa freguesia não está dotada de nenhuma infra-estrutura capaz de satisfazer essas necessidades, pergunto se tem algum plano para colmatar essa deficiência?

R: É verdade que muitos vilameanenses praticam pedestrianismo, mas nem sempre em condições de segurança, visto que em muitas estradas não existem passeios. Contudo, é nosso propósito e na medida do possível, dotar as ruas e estradas de passeios, por forma a que as pessoas possam caminhar em segurança.

Não obstante desta situação, gostaríamos muito de construir uma ecopista junto à margem direita do rio odres, e alargar o recinto do Parque de Lazer do Odres para a prática de vários desportos ao ar livre, como a corrida e ginásio ao ar livre, à semelhança do complexo desportivo da Costa Grande, em Amarante. Contudo, os constrangimentos financeiros e a impossibilidade de compra de alguns terrenos poderão atrasar a construção destas infra-estruturas.

 

 

6 - Na Av. Nova, é conhecido o problema de falta de estacionamento constante! Tem conhecimento desse problema? Tem algum plano?
R: É verdade que o estacionamento na Avenida Nova constitui um problema. Contudo, devemos olhar para esse facto sob prismas diferentes. É durante o dia que esse constrangimento se agudiza, prejudicando, nomeadamente, o comércio local. Porém, grande parte dos lugares de estacionamento estão ocupados pelos próprios comerciantes. Todavia, pensamos que com a construção do recinto para a feira de Vila Meã, em terrenos próximos da Avenida Nova, este problema será atenuado, visto que o mesmo também poderá servir de parque de estacionamento.

 

 

7 - A rua da Ramalhada, está a necessitar urgentemente de uma requalificação! Tem algum plano?
R: Como sabe, a deterioração da Rua da Ramalhada, foi causada, em grande parte, pelas obras da REFER. Esta situação constitui uma preocupação da junta, e tanto assim é, que logo que tomamos posse, reportamos essa situação à Câmara Municipal, que é a entidade responsável pela obra, como sendo a obra mais urgente em Vila Meã. No início de Fevereiro, o Sr. Presidente da Câmara visitou oficialmente esta localidade e inteirou-se do problema.

Tanto quanto sabemos, é pretensão da Câmara repavimentar a estrada e construir passeios em toda a sua dimensão, sendo certo que atendendo à necessidade de elaboração do projecto ou a alteração do já existente e do volume financeiro da obra ser bastante considerável, a mesma ainda não poderá ocorrer no decorrer do presente ano.

 


8 - Temos conhecimento que organizava em Ataíde com bastante sucesso, um passeio anual para os reformados! Nas actuais circunstâncias os nossos idosos, vão poder continuar a contar com essa iniciativa?
R: O passeio anual para seniores acontecia em todas as freguesias. É nossa pretensão continuar com esse evento, sendo certo que o número de pessoas envolvidas, por força da agregação das freguesias, é hoje, consideravelmente superior, pelo que a logística e os destinos dos passeios terão de ser concebidos em função desta realidade.

 


9 - Quer deixar uma mensagem aos habitantes da sua freguesia!?

R: Apenas gostaria de afirmar que os vilameanenses poderão estar cientes de que tudo o que estiver ao nosso alcance será realizado e que a agregação das freguesias será entendida como uma oportunidade e não um problema. Estamos presentes e conscientes das dificuldades, mas também motivados para que este mandato que nos foi confiado seja positivo.

Publicidade